Morto na Bahia, miliciano Adriano da Nóbrega não foi executado, conclui SSP

Divulgação

Não houve espancamento nem execução na morte do miliciano Adriano da Nóbrega, segundo concluiu a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). Nesta quarta-feira (26), a SSP passou detalhes da investigação sobre o caso.

De acordo com a conclusão, Adriano efetuou sete disparos contra os três policiais que invadiram o imóvel. Dois destes tiros acertaram o escudo de proteção usado pelo trio de PMs e outros cinco atingiram portas e janelas do imóvel. Ele foi morto em fevereiro, na cidade baiana de Esplanada.

No revide, que não durou mais que cinco segundos, os policiais dispararam dois tiros contra Adriano. Um dos disparos foi dado por um tenente da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) que estava com um fuzil. Outro tiro partiu da carabina de um soldado do Batalhão de Operações Especiais (Bope).