Novo golpe no WhatsApp rouba dados pessoais

Resultado de imagem para novo golpe do whatsapp

Um golpe que oferece uma caixa de lápis de cor grátis, que circula pelo WhatsApp e pelo Facebook Messenger, rouba dados pessoais e pode instalar aplicativos maliciosos no celular de quem tentar participar da suposta campanha promocional.

Ao clicar em links enviados pelos aplicativos de mensagens, os usuários são direcionados para o site promocoesamostrasgratis.tk. Lá, é exibida uma mensagem com a oferta de uma amostra grátis de lápis de cor e um formulário que pede informações de quem quer receber o brinde (nome, contato e endereço).

De acordo com a Kaspersky Lab, empresa de cibersegurança que identificou o golpe, esses dados pessoais podem ser usados para ajudar os criminosos em fraudes futuras.

A campanha para disseminar a promoção falsa está ativa desde o dia 3 de janeiro e registrava cerca de 600 mil acessos na manhã desta segunda-feira (7).

Não é possível, no entanto, determinar a quantidade de vítimas, porque uma mesma pessoa pode ter entrado mais de uma vez, ou visto o site rapidamente e logo fechado, sem participar da suposta promoção.

Após ceder suas informações para liberar o suposto prêmio, o interessado teria que compartilhar o link do site malicioso com cinco amigos no WhatsApp. Com isso, ajudava o golpe a se espalhar.

Simplesmente entrar na página não significa necessariamente ter o celular infectado ou as informações roubadas. É necessário chegar ao fim do processo para ser impactado.
São exibidas três telas com a página que rouba a informação dos usuários. Na primeira, com a foto de uma caixa de lápis de cor, anunciam a promoção.

A segunda pede que compartilhem a promoção com amigos. A terceira apresenta um formulário para coleta de informações pessoais: nome, contato e endereço. O que acontece por último depende do modelo do celular da vítima. Quem usa o sistema Android pode ver a oferta para instalar um aplicativo malicioso ou ser redirecionado para uma página cheia de propagandas, o que dá dinheiro aos criminosos.

Para usuários de iPhone era oferecida a instalação de aplicativos legítimos, mas que participam de esquemas “pay-per-install” -nesses casos, os criminosos são pagos a cada instalação.