Com vitória de Lula, ministros do STF apostam em fim da guerra com Planalto

Depois dos quatro anos de guerra intensa do Palácio do Planalto com o STF (Supremo Tribunal Federal), ministros da mais alta corte do país preveem um período de paz com a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva. Hoje, quando foi divulgado o resultado das urnas, alguns ministros respiraram aliviados com a saída de Jair Bolsonaro do poder, pela perspectiva do distansionamento entre os dois Poderes.

Embora Bolsonaro tenha criticado o sistema eleitoral brasileiro, integrantes do Supremo acreditam que ele aceitará a derrota e colaborará com a transição para o governo Lula. Os ministros acham improvável que Bolsonaro se recuse a passar a faixa presidencial ao adversário.

Com a vitória de Lula, ministros enxergam agora um caminho para a reconstrução de pontes entre o Palácio do Planalto e do STF. Com Bolsonaro derrotado, a expectativa é de um clima mais favorável para reatar os laços institucionais entre os Poderes e reconstruir a credibilidade do Judiciário.

Durante o mandato, Bolsonaro atacou o STF e o TSE. Seguidores do presidente fizeram o mesmo, especialmente nas redes sociais. As críticas atingiram pessoalmente os ministros das duas cortes, e não apenas as decisões por eles proferidas. Com um ambiente sem ataques, o plano agora é o Judiciário reerguer a imagem em parte comprometida pelos ataques do presidente e de militantes.

No novo governo, ministros do STF consideram que seria natural o encerramento do inquérito que apura fake news e o que investiga ataques à democracia por milícias digitais.