Altamente transmissível, ômicron se torna variante predominante em Pernambuco, afirma secretário de Saúde

Ômicron é menos grave mesmo para não vacinados, sugere estudo - 14/01/2022  - UOL VivaBem

A ômicron já é variante predominante em Pernambuco, afirmou o secretário Estadual de Saúde, André Longo. A confirmação veio a partir da análise feita pelo Instituto Aggeu Magalhães (unidade da Fiocruz em Pernambuco) de material biológico de pacientes com confirmação para a doença. O anúncio ocorre sete dias após o Estado confirmar a circulação da variante do coronavírus. Ao todo, de 183 amostras, 124 (68%) apresentaram a linhagem ômicron.

Nesta semana, o secretário fez um alerta para a população não deixar de lado os cuidados preventivos, especialmente porque a ômicron tem um maior potencial de contaminação. E os números já mostram essa velocidade da variante: a positividade dos testes rápidos de antígeno para a covid-19, nos centros de testagem, ficou em 15% na última segunda (10), enquanto que, no dia 28 de dezembro de 2021, era de apenas 3%.

“Contra ômicron, ter apenas uma dose de vacina contra covid é estar desprotegido. Precisamos de, ao menos, duas doses contra a variante. Ômicron poderá causar doença grave em quem não tem as duas doses. O potencial de reinfecção da ômicron é grande. Mas 40% dos idosos com as duas doses ainda não tomaram a dose de reforço. Os próximos dias podem ser muito grave se não mudarmos de atitude (em relação a medidas de proteção). Se mais medidas restritivas forem necessárias, adotaremos”, afirmou André Longo.