“Causou perplexidade em cada um de nós”, diz chefe da Polícia Civil sobre morte de delegado em Jataúba

Delegado morre após ser baleado em Jataúba, no Agreste | NE10 Interior

Em mensagem divulgada à imprensa, o chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Nehemias Falcão, afirmou que a morte do delegado Anderson Liberato, aos 32 anos, causou perplexidade à instituição. O profissional, titular da delegacia de Brejo da Madre de Deus, foi assassinado nesse sábado (17), quando tentava cumprir dois mandados de prisão em Jataúba, também no Agreste, contra um homem e uma mulher.

“A Polícia Civil de Pernambuco foi atacada gravemente em seu corpo policial e a morte do Delegado de Polícia Flávio Anderson Liberato Alves do Nascimento causou perplexidade em cada um de nós. A tragédia aconteceu em mais um dia de trabalho do jovem delegado e sua equipe, os quais buscavam prender um homicida que desafiava as leis e o Estado”, diz um trecho da nota.

O suspeito da morte do delegado é José Carlos de Santana, de 43 anos, alvo do mandado de prisão. Ele teria atirado contra o policial e iniciado uma troca de tiros. O delegado chegou a ser levado para a Unidade Mista Ana Argemira Correia, em Jataúba, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos e morreu no local. Também baleado, o suspeito foi morto em uma ambulância na BR-104, em Caruaru, por homens armados que interceptaram o veículo.

O chefe da Polícia Civil destacou ainda, em sua mensagem, que os policiais “saberão honrar a morte do delegado Anderson, defendendo e preservando os ditames legais, dedicando-se à incansável missão de prevenir, apurar e reprimir”.

“O momento é de muita dor, nos cabendo amparar os familiares e amigos, confortar os colegas, buscar forças, seguir o exemplo de Anderson: jamais desistir”, acrescentou.

Nesta segunda-feira (19), dia em que o delegado será sepultado, em Fortaleza, capital do Ceará, a Polícia Civil de Pernambuco prestará a última homenagem, entregando a Medalha de Mérito Policial Civil para a mãe de Anderson.