Com vitória de João Campos no Recife, PSB ganha fôlego na busca pela manutenção da hegemonia em 2022

Brenda Alcântara/ JC IMAGEM

Principal aposta do PSB para as eleições deste ano, o deputado federal João Campos saiu das urnas vitorioso com 56,27% dos votos válidos — depois de uma disputa de quase 60 dias, se somados o primeiro e o segundo turno. Em meio ao acirramento da disputa na reta final, João subiu o tom contra sua adversária, a também deputada Marília Arraes — que obteve 43,73% dos votos — e liquidou a fatura. A vitória do socialista, além de cacifá-lo dentro do próprio partido, turbina o projeto político do PSB para o governo em 2022, quando cogita-se que o atual prefeito da capital, Geraldo Julio (PSB), se lance na disputa pelo Governo de Pernambuco. Eleger Campos era prioridade da legenda, por isso ele foi um dos candidatos que mais recebeu recursos do fundo partidário em todo o País.

Na avaliação do cientista político e professor da Faculdade Damas Elton Gomes, a vitória de João Campos representa a manutenção daquilo que o especialista chama de “subsistema de poder regional” do PSB. “Muito embora desgastado pela fadiga do material político, o PSB ganha fôlego com essa vitória eleitoral do jovem deputado herdeiro de um clã política forte”, afirma Gomes.

Na mesma linha, a cientista política e professora da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (Facho) Priscila Lapa diz que a vitória dos socialistas na capital assegura o significativo capital político do PSB e também garante visibilidade para as lideranças da legenda. “A vitória de João representa uma sobrevida para o projeto do PSB no que se refere às eleições 2022 em Pernambuco”, pontua ela.