Sede do governo do Pará é alvo de operação contra fraudes na Saúde

Agentes da Polícia Federal e da Polícia Civil realizam operação contra desvios na área da Saúde no Pará, com apoio da CGU (Controladoria Geral da União). Ações também acontecem em São Paulo e no Paraná - Divulgação Polícia Federal

Duas operações estão sendo realizadas na manhã de hoje para apurar desvios na área da Saúde. A operação S.O.S. tem como um dos alvos o governador Helder Barbalho (MDB), de acordo com a Polícia Federal, e cumpre 76 mandados de prisão preventiva e 278 de busca e apreensão no Pará e em São Paulo.

Já a operação Raio X cumpre 66 mandados de prisão e 275 de busca de apreensão no Paraná e em São Paulo mirando grupos suspeitos de fraude na contratação de organizações sociais.

No Pará, o governador é alvo da investigação, mas segundo a polícia, não há mandado de prisão contra ele. Foram presos Parsifal de Jesus Pontes, atual secretário do Sedeme (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia), Antonio de Pádua de Deus Andrade, secretário do Transporte do Estado do Pará, Peter Cassol Silveira, ex-secretário-adjunto do SESPA (Secretaria de Saúde do Estado do Pará), e Leonardo Maia Nascimento, assessor da Casa Civil.

A operação investiga uma suposta organização criminosa que atuava desviando recursos da Saúde destinados a contratação de organizações sociais de saúde (OSS) para gestão de hospitais públicos no estado. Entre eles, os hospitais de campanha construídos durante a pandemia do coronavírus.

Segundo a CGU (Controladoria Geral da União), as investigações revelaram que um grupo de quatro OSS firmou, ao menos, 12 contratos ou termos aditivos com o governo do Pará entre agosto de 2019 e maio de 2020, totalizando aproximadamente R$ 1,2 bilhão, já tendo sido pago o montante de R$ 310 milhões.

Deixe um comentário