Bolsonaro diz que TV Escola deseduca e chama Paulo Freire de “energúmeno”

 (Foto: Evaristo Sá/ AFP
)

O presidente Jair Bolsonaro defendeu a decisão do Ministério da Educação em despejar a TV Escola das dependências da pasta e encerrar o contrato com a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), entidade responsável pelo gerenciamento da emissora. O chefe do Executivo federal considera que o conteúdo programático “deseduca”. “Era uma programação totalmente de esquerda”, comentou.

Também sobraram críticas ao educador Paulo Freire, quem Bolsonaro chamou “energúmeno”. A decisão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, o fortalece. Bolsonaro desmentiu as especulações sobre possíveis mudanças no primeiro escalão da Esplanada dos Ministérios, entre elas, no comando da pasta. “Não está previsto mudar. De acordo com os jornalistas que o criticaram, eu falei, ‘Weintraub, você não sai mais daí’. Mirian Leitão criticando, Noblat criticando, é sinal que tá funcionando”, declarou.

Deixe um comentário