Secretárias de Educação de Solidão e Brejinho são homenageadas durante prêmio da Olimpíada Brasileira de Matemática

Foto: Leandro Santana/Esp. DP

Filho de um agricultor e de uma auxiliar de escritório, Rafael Magno, 18 anos, sabia que precisaria correr para além do suporte da família para realizar todos os sonhos profissionais. Por gostar de matemática, decidiu se dedicar às provas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP). Foram sete anos de participações até terminar o ensino médio. Nesta terça-feira (17), mesmo depois de concluir os estudos básicos, Rafael voltou a vestir a farda de uma escola estadual. Foi receber, pela segunda vez, a medalha de ouro na OBMEP. Graças a essa conquista, ganhou uma bolsa da organização do evento, que usa desde o começo do ano para custear os estudos universitários na Paraíba.

Antes de conquistar a vaga no curso de engenharia elétrica na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Rafael era aluno da escola estadual Tomé Francisco da Silva, na cidade de Quixaba. Soube da existência da olimpíada por meio dos primos. A OBMEP é famosa entre os estudantes porque, além das medalhas, confere bolsas de iniciação científica júnior aos destaques da competição. Por ano, 18 milhões de alunos realizaram as provas. Desses, cerca de 50 mil são agraciados com algum reconhecimento. Em 2018, Rafael esteve na lista de premiados em Pernambuco, que assim como ele receberam as medalhas nesta terça-feira, em evento realizado no Centro de Convenções.

Em Pernambuco, na competição de 2018, 12 estudantes foram agraciados com medalha de ouro (cinco da rede estadual), 53 com medalha de prata (16 da rede estadual) e 128 com medalha de bronze (47 da rede estadual). Outros 1.445 estudantes receberam menções honrosas.

Também foram homenageados 13 professores, 14 escolas e duas secretarias municipais de Educação – das cidades de Solidão e Brejinho -, por incentivar e mobilizar a comunidade estudantil a participar.

Deixe um comentário