Comissão de Agricultura debate situação de criadores de animais em Custódia

Comissão de Agricultura

As dificuldades enfrentadas por criadores de cabras e ovelhas, como a falta de água e a necessidade de melhoramento genético do rebanho, foram abordadas em audiência pública realizada pela Alepe nesta segunda (4), em Custódia. O encontro foi promovido pela Comissão de Agricultura da Casa em parceria com a Câmara de Vereadores da cidade.

Maria de Lourdes Silva, criadora de Sítio Brabo, na zona rural do município, chamou atenção para a escassez de recursos hídricos na região. “A gente já enfrentou uma grande seca no Nordeste há quatro anos. Não havia pastagem para os animais nem água. Sofremos muito”, relatou.

Aos poucos, porém, esse cenário está mudando graças a programas sociais, a exemplo do que garante a ração dos animais. Capacitações são dadas pelo escritório regional do Sebrae, e o financiamento fica a cargo do Banco do Nordeste. Representante da instituição financeira, Marivaldo Manuel destacou as vantagens de uma das linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). “O crédito, de até R$ 5 mil, é subsidiado em 40%. Ou seja, o beneficiado devolve apenas R$ 3 mil”, explicou. “Esse financiamento ajuda o homem do campo a investir em recursos hídricos e produzir durante todo o ano, e não só num período em que haja chuva.”

Além do crédito facilitado, o Programa Vendas em Balcão, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), também tem contribuído para que os criadores assegurem a ração de que precisam. O representante do órgão em Arcoverde (Sertão do Moxotó), Herivelton Marculino da Silva, esclareceu o objetivo da iniciativa: “O Governo oferece um preço abaixo do mercado, que, por sua vez, fica obrigado a baixar o valor para poder vender ao produtor. A gente procura ajudar o pequeno produtor a ter acesso ao milho subsidiado, ou seja, sem o acréscimo de impostos”.

Segundo a Pesquisa Pecuária Municipal feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2016, o Brasil possui mais de 18 milhões de ovelhas. Dessas, 2,5 milhões estão em Pernambuco, sendo 40 mil em Custódia. Já o quantitativo nacional de cabras é de quase dez milhões, com 2,5 milhões de cabeças no Estado, das quais 70 mil em Custódia.

Requerente da audiência, o vereador Joãozito Moura (PTB) afirmou que os produtores vêm sofrendo com a falta de mercado. Ele apontou caminhos para o Poder Público fortalecer a pecuária na região. “Nós precisamos de incentivos por parte do Governo do Estado e do município, para um apoio com relação ao fornecimento de alimentação a esses animais. Também na aquisição do leite e da carne, que podem ser inseridos na merenda escolar e distribuídos para famílias que necessitam”, sugeriu.

Para o presidente da Câmara de Vereadores de Custódia, vereador Neguinho da Maravilha (PSD), a carne de bode deve ser consumida nas escolas. “E também nos hospitais, onde os governos estadual e municipal terão demanda”, propôs.  Além da expansão do consumo, o crescimento do mercado passaria pelo melhoramento genético do rebanho, na opinião do presidente da Associação de Caprinos e Ovinos de Custódia, Mário Edson. “Nós temos um rebanho enorme, porém sem grande qualidade genética”, observou.

O deputado Eduíno Brito (PP), que presidiu a audiência, defendeu uma intervenção do Poder Executivo Estadual nesse sentido. “A ovinocaprinocultura é importantíssima para Pernambuco, é centenária. É fundamental que o Governo entre nessa cadeia”, defendeu, ressaltando a possibilidade de geração de novos empregos.