Papa Francisco nomeia sergipano Dom Dulcênio como bispo da Diocese de Campina Grande

Dom Dulcênio

O boletim de imprensa do Vaticano trouxe, nesta quarta-feira (11), a nomeação de Dom Dulcênio Fontes de Matos como novo bispo da Diocese de Campina Grande.

A escolha do Papa Francisco acontece após cinco meses de vacância na diocese, cujo então responsável, Dom Manoel Delson, foi transferido para João Pessoa, em substituição a Dom Aldo Pagotto, que renunciou ao posto em julho do ano passado. A posse canônica do bispo em Campina Grande está marcada para o dia 2 de dezembro.

Dom Dulcênio Fontes de Matos nasceu no dia 19 de outubro de 1958, na cidade de Lagarto, em Sergipe e ingressou no seminário no ano de 1979, estudando Filosofia em Brasília e Teologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-RJ. Em 1985 foi ordenado sacerdote, exercendo seu ministério nas paróquias de sua diocese de origem, Estância (SE).

Em 18 de abril de 2001, depois de 15 anos de ministério sacerdotal, o Papa João Paulo II, o nomeou Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Aracaju. Na época, era o bispo mais jovem do episcopado brasileiro. Foi sagrado bispo aos 16 de junho de 2001 em Estância. Dom Dulcênio escolheu, para a vida episcopal, o lema ‘Pro Mundi Vita’ (Para a Vida do Mundo).

Depois de cinco anos de pastoreio em Aracaju, no dia 5 de julho de 2006, o Papa Bento XVI nomeou Dom Dulcênio como Bispo Diocesano de Palmeira dos Índios. No dia 9 de setembro do mesmo ano aconteceu sua posse tornando-se o quarto Bispo de Palmeira dos Índios, onde permaneceu até o momento.