A rejeição ao PT é o grande desafio de Haddad nesta eleição

Resultado de imagem para fernando haddad

Até o mais otimista integrante do Partido dos Trabalhadores sabia que, à medida que Fernando Haddad se tornasse conhecido e ganhasse fôlego na corrida ao Palácio do Planalto, o ex-prefeito de São Paulo também assumiria a rejeição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É o que os marqueteiros chamam de “ônus e bônus” da transferência de votos. Um político indicado por um cacique pode herdar uma boa fatia dos votos, mas, inevitavelmente, recebe, no mesmo pacote, a reprovação dedicada ao padrinho. A dificuldade de Haddad é que a negação da população aos petistas cresce mais do que o número de apoios ao nome dele no primeiro turno. Os caciques do partido parecem surpresos e buscam saídas.

Pesquisa Datafolha divulgada na noite de ontem mostra que, em menos de quatro dias, a rejeição de Haddad subiu nove pontos percentuais, saindo dos 32% e chegando aos 41%. Ele fica a menos de quatro pontos do presidenciável Jair Bolsonaro, que oscilou de 46% para 45%. No levantamento, o capitão reformado do Exército aumentou quatro pontos percentuais e chegou aos 32% das intenções de votos, contra 21% de Haddad, que oscilou um ponto para baixo. Números idênticos foram apresentados pelo Ibope na segunda-feira. A reprovação do petista aumentou 11 pontos percentuais e bateu nos 38%. No mesmo período, o ex-prefeito de São Paulo manteve o percentual de 21% das intenções de votos. O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) atingiu 31% de apoios e 44% de reprovação. Em 40 dias, Haddad cresceu 22 pontos percentuais no quesito rejeição, enquanto Bolsonaro ganhou sete.

Pesquisa no Blog

Rádio Web Acauã HD Full

Nosso Aplicativo

EM  TESTE...
Baixe Nosso aplicativo em:

 

 
BAIXAR

 

        

 

Link´s Para Rádio Web

     

Publicidade

 

 

 

 

Provedor de Internet em
Afogados da Ingazeira - PE