'Não serei incoerente com o que eu defendo', disse Marília Arraes

Arthur Marrocos: Divulgação

Pré-candidata ao governo do estado pelo PT, a vereadora Marília Arraes afirmou, ontem, que não defenderá o governador Paulo Câmara (PSB) caso o PT nacional decida fazer uma aliança no estado com o PSB, a quem faz oposição. Marília deu a declaração após acompanhar a entrevista da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, que veio ao Recife ontem para se reunir com a executiva do PT estadual e se encontrar, hoje, com o governador. “Não serei incoerente com o que eu defendo, ela sabe desse posicionamento”, declarou a vereadora.

Marília admitiu, ainda, que sua candidatura só não se consolidará caso o PSB nacional decida apoiar Lula, repetindo o que foi explicado por Gleisi num encontro que durou mais de duas horas, na sede do PT estadual. “O que nos dá esperança é que (a nossa pré-candidatura não está no varejo, não está no plano local, mas no plano nacional. A gente fica mais à vontade dessa forma”, avaliou a pré-candidata, logo após acompanhar Gleisi falando sobre as pretensões de aliança nacional entre o PT e o PSB, que também mantém, paralelamente, as negociações com o presidenciável Ciro Gomes   (PDT).

Gleisi, por sua vez, frisou que a unidade interna do PT em Pernambuco pode ser construída em virtude de algo maior, que é a defesa do ex-presidente. “Nós temos circunstâncias aqui que são mais complicadas, mas eu acho que é importante o PT ter apresentado e se posicionado aqui com a candidatura. Todos vamos amadurecer e de uma coisa temos uma certeza muito forte: Lula é a única pessoa capaz de dar rumo para esse país e essa certeza é que nos dá uma unidade política muito forte”, declarou. Ela acrescentou: “Se der aliança (com o PSB), vamos voltar e conversar aqui  para sabermos como vamos encaminhar”.

A presidente nacional do PT declarou que veio ao estado para preparar um calendário que culmine com a inscrição da candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral, no dia 15 de agosto, e discutir a questão local. Ela ficou numa reunião fechada com a executiva estadual do PT e os pré-candidatos da sigla ao governo, como a própria Marília Arraes, por mais de duas horas. “Viemos apresentar nosso plano de governo. Se fizermos uma aliança, vamos apresentar (o programa) para a coligação do estado. Se não fizermos aliança, temos um plano de governo que vamos trabalhar em cima dele”, ressaltou.

Indagada se o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, tinha lhe externado algum desconforto pelo fato de o PT insistir na pré-candidatura de Lula, mesmo ele estando preso, Gleisi foi taxativa: “Não, ele sabe que, inclusive, nossa aliança passa por isso, é uma aliança com a nossa estratégia política também, da definição de ter Lula como candidato”, afirmou.

Do Diario de Pernambuco

Pesquisa no Blog

Rádio Web Acauã HD Full

Nosso Aplicativo

EM  TESTE...
Baixe Nosso aplicativo em:

 

 
BAIXAR

 

        

 

Link´s Para Rádio Web

     

Publicidade

 

 

 

 

Provedor de Internet em
Afogados da Ingazeira - PE